Central de vendas 51 3391 2928
Cobertura Nacional

Análises do Ar

Empresa Certificada ISO/IEC 17025 – CAL 663

O conforto térmico e a salubridade físico-química de interiores representam os primeiros estágios do condicionamento do ar. Entretanto, um sistema de condicionamento deve satisfazer não só estas duas premissas como também proporcionar uma atmosfera saudável do ponto de vista biológico, livre de elementos que possam desencadear ou agravar doenças, e promover o bem-estar da maioria dos ocupantes.

O nível de contaminação do ar de um ambiente climatizado deve-se ao acúmulo de umidade e poeira que ocorre em ambientes climatizados e, portanto a proliferação de micróbios e bactérias é muito maior do que em ambientes abertos. Outro aspecto responsável pela contaminação de um ambiente é a concentração de pessoas, sendo que estas são responsáveis pela liberação de CO2, odores, aumento de carga térmica, devido seu metabolismo, e disseminação de microrganismos promovidos pelo calçado, roupas e o principal fator, o de consumo de alimentos em ambientes destinados ao trabalho.

Análises de Ar em Ambientes Climatizados de acordo com a RE 09 – 2003 (ANVISA)

Dentre os principais sintomas de pessoas ocupantes dos ditos ambientes destacam-se as infecções, as reações alérgicas e irritantes, dores de cabeça e articulares, irritações nos olhos, nariz e garganta, tosse seca, dermatites, fadiga, sonolência, dificuldade de concentração, sensibilidade a odores, congestão, sinusite, falta de ar, renite alérgica, asma-
brônquica, doença do Legionário, perda de produtividade e por fim, a ausência ao trabalho conhecida como absenteísmo (NIOSH, 1987).

Identificação, avaliação e controle dos fatores ambientais que possam constituir risco para a saúde das pessoas nos locais de trabalho e lazer.

Análises oferecidas

NT 001 – Análise de bioaerosol

Qualidade do Ar Ambiental Interior. Método de Amostragem e Análise de Bioaerosol em Ambientes Interiores.
OBJETIVO: Pesquisa, monitoramento e controle ambiental da possível colonização, multiplicação e disseminação de
fungos em ar ambiental interior.
APLICABILIDADE: Ambientes de interior climatizados, de uso coletivo, destinados a ocupações comuns (não especiais).
MARCADOR EPIDEMIOLÓGICO: Fungos viáveis.
MÉTODO DE AMOSTRAGEM: Amostrador de ar por impactação com acelerador linear.
PERIODICIDADE: Semestral.

NT 002 – Análise da concentração de dióxido de carbono;

Qualidade do Ar Ambiental Interior. Método de Amostragem e Análise da Concentração de Dióxido de Carbono em Ambientes Interiores.
OBJETIVO: Pesquisa, monitoramento e controle do processo de renovação de ar em ambientes climatizados.
APLICABILIDADE: Ambientes interiores climatizados, de uso coletivo.
MARCADOR EPIDEMIOLÓGICO: Dióxido de carbono ( CO2 ) .
PERIODICIDADE: Semestral.

NT 003 – Determinação da temperatura, umidade e velocidade do ar;

Qualidade do Ar Ambiental Interior. Método de Amostragem. Determinação da Temperatura, Umidade e Velocidade do Ar em Ambientes Interiores.
OBJETIVO: Pesquisa, monitoramento e controle do processo de climatização de ar em ambientes climatizados.
APLICABILIDADE: Ambientes interiores climatizados, de uso coletivo.
MARCADORES: Temperatura do ar (°C), Umidade do ar (%), Velocidade do ar (m/s) PERIODICIDADE: Semestral.

NT 004 – Análise da concentração de aerodispersóides.

Qualidade do Ar Ambiental Interior. Método de Amostragem e Análise de Concentração de Aerodispersóides em Ambientes Interiores.
OBJETIVO: Pesquisa, monitoramento e controle de aerodispersóides totais em ambientes interiores climatizados.
APLICABILIDADE: Ambientes de interior climatizados, de uso coletivo, destinados a ocupações comuns (não especiais).
MARCADOR EPIDEMIOLÓGICO: Poeira Total µg/m³.
PERIODICIDADE: Semestral.

As unidades funcionais dos estabelecimentos com características epidemiológicas diferenciadas tais como serviço médico, restaurantes, creches e outros, deverão ser amostrados isoladamente.
Os pontos amostrais deverão ser distribuídos uniformemente e coletados com o amostrador localizado na altura de 1,5 m do piso, no centro do ambiente ou em zona ocupada.

Análises da Água de Sistemas de Ar Condicionados e do Biofilme

Avaliação quantitativa da presença de bactérias heterotróficas, bolores, leveduras e do gênero Legionella.

Análises de Sujidade dos Dutos de Ar Condicionados

Avaliação das condições de limpeza de dutos através da  verificação da colonização, multiplicação e disseminação de fungos, bactérias e outros agentes presentes em amostras de sujidades de dutos.

Acompanhamento do Plano de Manutenção, Operação e Controle do Sistema de Refrigeração de acordo com a Portaria 3523 – 1998 (Ministério da Saúde)

Auditoria e diagnóstico em sistema de refrigeração
Ações corretivas e ações preventivas

Metodologia de Gestão

  • Diagnóstico do Edifício ou Análise de dados fornecidos
  • Estimativa do Risco e estabelecimento de prioridades
  • Estratégia de Amostragem
  • Medições no local e análises laboratoriais
  • Análise e Discussão do Relatório de Ensaio
  • Resultados das Análises
  • Ações Corretivas
  • Ações Preventivas
  • Apoio no Pedido de Auditoria
  • Apoio na Resposta ao Relatório de Auditoria
  • Acompanhamento dos Trabalhos e Reavaliação

OBRIGATORIEDADE  –  ANÁLISE DA QUALIDADE DO AR

De: Unidade de Atendimento ao Publico – ANVISA [mailto: atendimento.uniap@anvisa.gov.br]
Para: AMBIENTALIS.COM
Assunto: ANVISA – Resposta ao protocolo 2012197993

Prezado (a) Senhor (a),

Em atenção ao seu questionamento, informamos que a ANVISA foi criada pela Lei 9782/99 que determina as suas competências, dentre as quais estão:
Estabelecer normas, propor, acompanhar e executar as políticas, as diretrizes e as ações de vigilância sanitária; e estabelecer normas e padrões sobre limites de contaminantes, resíduos tóxicos, desinfetantes, metais pesados e outros que envolvam risco à saúde.

Desta forma, o não cumprimento das Normas estabelecidas pode ser entendido
como infrações sanitárias (descritas na Lei 6437/76) passíveis de multa, interdição e suspensão, etc.

A Resolução da ANVISA RE 09/2003 e a Portaria 3523/98 estabelecem as condições para funcionamento dos Sistemas de Climatização para ambientes públicos e coletivos e caso não sejam atendidas configuram infração sanitária, pois são passíveis de fiscalização pela Vigilância Sanitária local.

Atenciosamente,
ANVISA Atende
Central de Atendimento
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
0800 642 9782

www.anvisa.gov.br

Siga a ANVISA: www.twitter.com/anvisa_oficial

EXIGÊNCIA  LEGAL – ANALISE DA QUALIDADE DO AR

  • NR-7 PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional)
  • NR-9: PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
  •  NR-15: Agentes Insalubres Químicos e Biológicos
  •  NR-32: Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Assistência à Saúde
  • NR-33: Espaços Confinados,
  • Resolução RE 09 de janeiro de 2003 – ANVISA
  • Portaria n.º 3.523/GM  de, 28 de agosto de 1998 –  Ministério da Saúde
  • Lei N° 13.589, de 4 de janeiro de 2018 – Manutenção de Instalações e Equipamentos de Sistemas de Climatização de Ambientes.